Seminário “A didática do Braille”

No passado dia 8 de janeiro aconteceu o Seminário “A Didática do Braille”, na Universidade Lusófona, com organização do Instituto Nacional para a Reabilitação.

Descarregar livro de Resumos e notas biográficas – Seminário Braille 2020.

Este Seminário pretendeu assinalar o Dia Mundial do Braille 2020, permitindo a partilha de experiências e práticas numa reflexão sobre diversos métodos para o ensino/ aprendizagem do braille, propondo metodologias pedagógicas inovadoras, na base de evidências de sucesso.

A equipa do CAIPDV marcou presença no seminário com uma comunicação intitulada de “Eu posso!: Experiências precoces do desenvolvimento do tato e do acesso ao braille”. 

81738287_10220644171150973_185282432428146688_n81500093_10220646337245124_4728693589134016512_n

Pretendendo-se comunicar sobre didática do braille, inicia-se a comunicação com uma história que ilustra uma mensagem que nos parece basilar nesta temática. Para o efeito, selecionou-se um livro sem palavras,  um livro de imagens – “The typewriter” de Bill Thomson.  Este livro transmite uma mensagem forte e central na temática da literacia em idades precoces, pretendendo-se que o auditório reflita sobre alguns pressupostos a considerar na didática do código braille. Apresenta-se um excerto ao auditório.

O livro conta a história de 3 crianças que passeiam de bicicleta. Dirigem-se para um carrossel mas este encontra-se fechado. Ao observarem o espaço, as crianças são surpreendidas por uma mala enigmática decorada com letras. Motivadas pela curiosidade, abrem a caixa, e retiram uma máquina, uma máquina de escrever antiga…Impelida pela experimentação, a rapariga do grupo prime, letra a letra, formando a palavra “beach” “praia”. Ao virar a página, as mesmas crianças aparecem num novo cenário. Estão na praia, com a máquina, viradas para o mar. Entreolham-se, com um misto de espanto e excitação! Então, avançam, inebriadas pelo resultado da primeira investida e agora, um dos rapazes, escreve “ice cream” “gelado”. E ao virar a página, num balde de praia cor de laranja, em formato gigante, maior do que a menina, aparece um gelado dentro do balde, pintalgado com pepitas coloridas de açúcar e uma cereja no topo. A menina, sorridente, estica-se para alcançar um pouco de gelado… Um dos rapazes salta em euforia de braços esticados. O segundo rapaz observa a cena, sentado na areia, com um sorriso na cara, encantado com o poder daquela máquina, daquelas palavras!

De facto, as palavras têm o poder de recriar “realidades” e isso é entusiasmante, alegre e incrível! É o que acontece quando uma criança descobre a escrita… a palavra que traduz a sua oralidade. É o que acontece quando uma criança descobre a máquina braille… esta mágica ferramenta que “semeia” pontos com significado.

Inevitavelmente, em idades precoces, a didática do braille tem que contemplar esta componente motivacional e cativante, esta contínua e persistente descoberta da linguagem escrita e oral. A atitude das crianças face à literacia forma-se desde o nascimento, modelada pelas mensagens dos cuidadores, esta é uma parte importante do tornar-se leitor! Durante os anos que antecedem a escola, a base da literacia é construída à medida que a criança desenvolve atitudes positivas e isso inclui o DESEJO DE LER e a CRENÇA de que “EU POSSO”(Stratton & Wright, 1991). 

Em idades precoces é importante facilitar atitudes positivas face ao braille e, isso só será possível:

– indo ao encontro dos interesses da criança; 

– respeitando a sua forma de ler o mundo (perceção); 

– garantindo ludicidade. 

E que outros aspetos a considerar no ensino-aprendizagem do braille?

  • Que ocorra nos contextos naturais e envolvendo os significativos (família, profissionais e pares)

Famílias e profissionais têm um papel preponderante no desenvolvimento leitura e escrita de crianças com cegueira, dependendo deles a quantidade e qualidade das intervenções (intencionais, planificadas e dirigidas) (Koenig & Holbrook, 2000).

“Toda a comunidade da sala de aula beneficia quando as atividades de alfabetização em braille são parte integrante da aprendizagem em sala” (Swenson & Cozart, 2010). 

  • Desenvolvendo precocemente o tato ativo ou háptico

O tato ativo, ou sistema háptico (Ochaita & Rosa cit. Coll & Palacios, 1995), é o mais importante sistema sensorial que a pessoa com cegueira tem para conseguir conhecer o mundo. Segundo Farrel (2008, p.32): “A palavra tátil (tactile) associa-se muitas vezes a um toque passivo, como o do tecido da roupa a encostar na pele (…). Os termos tátil (tactual) e háptico utilizam-se quando nos referimos a um uso mais ativo do tato, como quando exploramos as qualidades de um objeto ou material e reconhecemos qualidades como temperatura, textura, forma e peso.”

  • Facilitando o acesso a material tátil e em braille

Interpretar imagens táteis não é um processo automático para uma criança com cegueira. Essa interpretação requer prática e o desenvolvimento de competências de exploração tátil, ao longo do tempo. Parece crucial, portanto, que as crianças com cegueira tenham formação/treino ao nível do uso de material tátil e oportunidades regulares para experimentá-los (Theurel, Witt, Claudet, Hatwell & Gentaz, 2013, p. 238).

Acredita-se que as crianças com cegueira, através de materiais acessíveis e experiências de literacia emergente enriquecedoras, poderão tal como as crianças da história, apropriarem-se da palavra e da escrita para se expressarem no mundo. Elas podem!

Bibliografia: 

Farrel M. (2008). Deficiências sensoriais e incapacidades físicas. Artmed, Brasil. 

Koenig, A. J., & Holbrook, M. C. (2000). Ensuring high-quality instruction for students in braille literacy programs. Journal of Visual Impairment & Blindness, 94(11), 677-694.

Ochaita, E. & Rosa, A. (1995). Percepção, ação e conhecimento nas crianças cegas. Em C. Coll, J. Palácios & A. Marchesi (Orgs.), Desenvolvimento Psicológico e Educação. (M. A. G. Domingues, Trad.). (pp. 183-197). Porto Alegre: Artes Médicas.

Stratton, J. M., & Wright, S. (1991). On the way to literacy: Early experiences for visually impaired children. Louisville, KY: American Printing House for the Blind.

Swenson, A. M., & Cozart, N. (2010). Six sensational dots: Braille literacy for sighted classmates. Journal of Visual Impairment & Blindness, 104(2), 119-123. 

TheurelWitt ClaudetHatwell &  Gentaz. Tactile picture recognition by early blind children: The effect of illustration technique. Journal of Experimental Psychology: Applied19 (3):233.

Um seminário de importantes partilhas para quem trabalha e se interessa pela literacia braille.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s